Importância da Mídia programática para o marketing digital

Por ROI Mine

A entrega de conteúdo segmentado é fundamental para que qualquer campanha de marketing prospere. Sabemos que a transformação digital, sobretudo, a expansão do marketing 4.0 sobre as práticas tradicionais, transformaram os dados em uma espécie de “petróleo” para o mundo moderno. O valor da riqueza dos dados para os anunciantes e agências é que através deles, perfis e aspectos comportamentais de consumidores são concebíveis. Mas o que a mídia programática tem a ver com isso?

A mídia programática permite a utilização dos dados de forma muito mais vantajosa,
em diferentes frentes (publishers). Diante de diferentes pontos de dados de consumidores, que também referem-se a geolocalização, é possível entender o público-alvo ao longo do tempo – dessa forma, investir em uma única estratégia de anúncios como por exemplo, Google Ads ou mídias sociais, pode não ser a melhor forma de distribuir o investimento em uma campanha de marketing.

A mídia programática permite que a coleta de dados seja aplicada de diferentes
formas, em diferentes canais e momentos. A mídia programática para o marketing
digital representa maior capacidade de personalização de anúncios e conteúdos, e
muito mais facilidade para negociar inventários.

Entenda mais sobre como funciona

A mídia programática utiliza a tecnologia para compra e venda de espaços publicitários online. A negociação não é mais feita diretamente com o veículo, o que demanda muito mais tempo para negociação, agora, a mídia programática utiliza dados de audiência para chegar até os publishers, além disso, o curso de uma campanha pode ser alterado em tempo real, sem necessidade de esperar determinado período para análise de dados.

A coleta de informações é feita por empresas chamadas de Data Providers ou em português, Provedor de Dados, tais informações, por sua vez são comercializadas para uso em campanhas com mídia programática. Isso permite, ao realizar uma
campanha com essa estratégia, o reconhecimento sobre o tipo de público que será impactado, seus interesses e outras preferências comportamentais.

Em outras palavras, um usuário interessado em esportes, por exemplo, verá uma peça publicitária completamente diferente do que aqueles cuja preferência é pelo universo Geek. Mas, a personalização da mídia programática não limita-se somente
aos interesses da audiência, ela permite também configurações variadas de acordo com data e hora do dia do anúncio, região, tipos de dispositivos móveis que o usuário está utilizando para navegar, condições climáticas, etc.

Perspectiva para a mídia programática e marketing no Brasil

A empresa de pesquisa de mercado EMarketer, com sede Nova York, nos Estados Unidos, divulgou em um de seus estudos sobre tendências de marketing digital que até o ano de 2020, 86,2 % dos anúncios serão comercializados em canais automatizados e aproximadamente 90% das campanhas em mobile serão veiculadas programaticamente.

Os dados são referentes aos Estados Unidos, no entanto, para a América Latina, o cenário também é animador com previsão de 9 bilhões de dólares em investimentos em publicidade online, sendo que o Brasil concentrará metade de todo o gasto com publicidade digital (50,7%) neste período.

A expectativa, portanto, é que de no contexto brasileiro, a mídia programática não demore para mudar de uma vez por todas o jeito de anunciar online. Ficou curioso para engatar nessa novidade? Entre em contato conosco.

Entre em Contato


Cadastre-se para receber
informações que te ajudarão
a se destacar no mercado